Integrantes do Comité de Enfrentamento ao Covid-19 em Itamarandiba, fala pela Rádio Câmara de diversas ações no município

Out 22, 2020 Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Na manhã desta quarta-feira, 21 de outubro, aconteceu uma entrevista na Rádio Câmara com o locutor Wallysson Alves e os entrevistados Dr. Henrique Marski e Luciana Piovezan coordenadora da Vigilância em Saúde.  

 

1-        O que devo fazer quando apresentar algum sintoma?

Você deve procurar o Centro de Referência à COVID no endereço Rua Rio Vermelho, nº 70, Centro, ou ligar nos números 38 – 98826-5046 ou 98826-4741 de segunda a sexta, de 7 às 17 horas. Nos fins de semana, devem procurar o plantão ou ligar no 3521-1133 para se informarem melhor.

 

 

3 – O que devo fazer se caso eu tiver algum resultado positivo?

Você deverá procurar imediatamente o centro de referência à covid. Mas, normalmente, um membro da equipe de saúde entrará em contato com você, pois, todos os resultados positivos são informados imediatamente para a vigilância epidemiológica do município.

 

4 - Qual a diferença entre aos exames de sangue e o de antígeno?

Os exames de sangue são analisados os anticorpos criados contra à doença, e só pode ser realizado após 14 dias de início de sintomas, e seu resultado negativo, não serve para retirar uma pessoa do isolamento. Já o exame de antígeno  ou RT PCR, são exames com uma maior especificidade, e devem ser feitos entre o 3º e 7 º de inicio de sintomas. Pois, pegam uma carga viral mais alta. O resultado negativo desses dois exames, servem para liberar o paciente do isolamento mais rápido.

 

5– Como funciona o isolamento para o paciente suspeito e/ou positivo, e seus contatos?

 

O isolamento é para todos os membros da casa, que devem ficar em casa, sem sair ou receber visitas até que a equipe de saúde os liberem.

O MS divulgou o vídeo muito esclarecedor disponível no Youtube que explica detidamente como deve ser o isolamento domiciliar no período.

 

6 -  O paciente positivo após o fim do isolamento, precisa fazer outro exame?

Não é necessário a realização de novo exame.

 

7          - Qual o motivo do aumento de casos no município?

 

O casos aumentaram porque também ampliamos a nossa capacidade de contingenciar, ou seja, de testar, fazer as investigações epidemiológicas  e isolar os pacientes. A dinâmica dos casos, ou melhor, a própria prevalência/incidência tem nos demonstrado que o comércio, muito embora registrando casos, tem conseguido mitigar a transmissibilidade. O maior desafio, porém, é o âmbito familiar e de atividade de recreação. Temos registrado muitos casos relacionados ao comportamento da população de uma maneira geral,  especialmente de reuniões recreativas. Logo, o Comitê está bem ciente da dinâmica dos casos e, neste momento, considera que as pessoas devem adiar tudo aquilo que for possível, tudo que não é essencial neste momento, e preservarem ao máximo suas famílias.

 

8          - O fim da barreira sanitária contribui para o aumento dos casos?

 

Não. As barreiras sanitárias tinham como principal objetivo orientar a população sobre a nova doença que estamos enfrentando, principalmente, por termos sidos pegos de surpresa, e ninguém sabia muito sobre ela. A barreira atuou 5 meses conscientizando a população sobre sinais, sintomas, o que fazer e onde procurar em caso de dúvidas.  As barreiras também permitiram conhecer a nossa população fluente, as pessoas que se deslocam  frequentemente a nossa cidade.  As barreiras desempenharam um importante papel nos primeiros meses. No entanto, passamos a ter transmissão comunitária local. Dai a necessidade de envidar os esforços no contingenciamento da doença em todo o Município. Devemos lembrar que não é somente a Sede Municipal que tem registrado casos.  Assim, posteriormente, foi criado o centro de referencia à COVID, que atende todos os pacientes com sintomas gripais, bem como, testa e monitora todos os envolvidos.

 

9          - Por que não são divulgados dados dos pacientes conforme antes?

 

Devemos lembrar que não se pode noticiar os nomes dos pacientes. Essa é uma questão protocolar.  Não é ético, nem legal fazê-lo!  A cidade é pequena, e observamos ainda que os pacientes sentiam-se desconfortáveis para procurar o serviço de saúde e serem testados positivos devido à repercussão, de uma forma ou de outra, a população acabava descobrindo os nomes dos pacientes, e dessa forma, não garantia o sigilo das informações. E nesse sentido, o serviço sanitário atua profissionalmente para preservar o sigilo dos pacientes, inclusive quando do monitoramento do isolamento domiciliar.  Lembrando que, todos os dados importantes para a população são divulgados nos boletins diários, bem como no site da prefeitura www.itamarandiba.mg.br, lá tem o boletim completo. O boletim completo traz todo o conjunto de ações e informações desde o início da pandemia até hoje.  As pessoas que precisam saber de mais informações, como os contatos diretos, são comunicados pela equipe de saúde, que fazem o monitoramento, isolamento e avaliação médica quando necessário, e testagem de todos.

 

 

 

10       Houve afrouxamento da fiscalização?

 

Não houve afrouxamento da fiscalização.  A adesão  ao Minas Consciente do Governo do Estado trouxe uma flexibilização de algumas atividades para a retomada gradual e consciente da economia, porém, essa flexibilização, gerou uma sensação de tranquilidade em muitos cidadãos, o que tem causado esse relaxamento da população, pois,  estão deixando de usar as máscaras e respeitarem o distanciamento social. As fiscalizações, notificações e interdições de atividades seguem e não são apenas atividades comerciais que são objeto da fiscalização.  E importante que a população compreenda que flexibilização não é normalização. A pandemia não acabou.  E é preciso compreender que o Minas Consciente adota critérios, ao passo que recentemente o Jequitinhonha migrou para a onda verde ante a oferta de leitos de UTI, mas os casos positivos na região seguem aumentando. Logo, é preciso que a população mantenha e redobre as medidas de prevenção.

 

11       -Quais medidas estão sendo tomadas diante desses novos casos?

As medidas que são tomadas é a intensificação das fiscalizações, bem como a conscientização da população para evitar a contaminação pelo  novo coronavírus. Outras medidas também são usadas para evitar a propagação da doença, como isolamento de todos os contatos diretos dos casos positivos, monitoramento e testagem de todos os contatos diretos de um caso positivo, essas medidas são usadas tanto no ambiente familiar, quanto no trabalho. É feito uma investigação em cima de cada situação, para tentarmos conter ao máximo a disseminação da doença, mas, nada disso é suficiente se não tivermos a colaboração da população, cada um tem que fazer a sua parte.  POR ISSO, AOS PRIMEIROS SINTOMAS PROCURE UM MÉDICO. Isso é extremamente importante!  Felizmente, muitos tem nos procurado aos primeiros sintomas, mas em várias situações há a procura depois de alguns dias, quando então já transmitiu para outras pessoas.  Daí pedimos um cuidado muito especial neste ponto. As pessoas que estiverem sintomáticas pedimos que se autoisolem e busquem atendimento médico o mais breve.

 

12       Com festas acontecendo, comércios como bares lotados, como está sendo feita a fiscalização?

O Minas Consciente estabeleceu protocolos para o funcionamento de cada atividade. Não foi diferente com o setor de bares e restaurantes. A fiscalização municipal, inclusive com o apoio da PMMG, já deflagrou várias fiscalizações no setor. Alguns já chegaram a ser interditados.  É preciso, porém, que o próprio setor se conscientize.  Temos muitos bares e estabelecimentos do gênero, seja cidade ou na zona rural.  É possível que o Município reavalie os protocolos,  adotando medidas mais restritivas se o setor não cooperar no acolhimento dos protocolos já fixados. O setor deve redobrar os cuidados, sobretudo para evitar que não voltem a funcionar apenas com serviços de tele-entrega. A vigilância já expediu varias notificações, inclusive de avisos de interdição no caso de reincidência.  É preciso alertar a população também. Se bares apresentam aglomeração em boa medida é porque também as pessoas têm ignorado a gravidade da doença, colocando em risco a vida delas e seus familiares. Fazemos, então, um apelo à responsabilidade individual. É importante que neste momento adiemos tudo aquilo que não é essencial para um momento mais oportuno.

São fiscalizados pela vigilância sanitária, que vão nos comércios, e atendem denuncias de estabelecimentos que descumprem os protocolos. Cada estabelecimento está ciente dos protocolos sanitários exigidos para o seu funcionamento, no entanto, os que não cumprem, são notificados e até interditados pela vigilância sanitária.

 

13       Não seria o momento de ter uma fiscalização mais rígida, cobrando da população e principalmente do comércio para seguir as normas recomendadas?

            O comércio segue objeto da fiscalização. E aqui queremos destacar o papel da ACIAI que tem feito um excelente trabalho de conscientização permanente. E é preciso que os estabelecimentos não baixem a guarda.  Devendo manter o uso de máscaras, álcool em gel, a autoavaliação dos colaboradores, o respeito das filas com o distanciamento e o reforço na higienização dos estabelecimentos. 

 

14 As reuniões do comitê continuam acontecendo? Por que não selecionam um membro do comitê para uma vez por semana falar sobre o que é deliberado?

O Comitê mantém-se atuante. E as reuniões vêm acontecendo normalmente.  As discussões são permanentes, inclusive em grupo de trabalho do comitê  numa rede social, onde são debatidos frequentemente o cenário atual e principalmente as análises urgentes trazidas.

 

15       Fechamento parcial do comércio é a solução do momento?

Até então o Município tem observado as ondas do plano Minas Consciente, não adotando medidas mais restritiva. Além disso, o Comitê deve apreciar previamente. Até aqui sempre o Comitê avaliou detidamente as situações, porque as situações são distintas ao longo do tempo. No início, por exemplo, havia dificuldades até pra você comprar álcool ou máscaras, além disso não tínhamos muitos testes, além de protocolos muito restritos para a testagem. Hoje isso esta mais acessível e a população. E, em melhor medida, está mais informada quanto a doença.  A gente possui uma quantia razoável de testes que nos permite também identificar e isolar os casos a tempo e modo.  Evidentemente, não se pode descartar, a depender do cenário, da adoção de medidas para restrição de atividades. No entanto, caso venha a ser adotada qualquer medida nesse sentido, certamente aquelas atividades de natureza não essencial, que são aquelas adiáveis e que não comprometem a segurança e a sobrevivência da população, poderiam ter alguma restrição. E para que todos continuem a funcionar, é preciso que se observe, de forma responsável e consciente, os protocolos estabelecidos.

 

 

16 Nitazoxanida é um medicamento que todos podem tomar? 

Todos medicamentos devem ser prescritos por algum medico, então na consulta veja com o ele, a possibilidade do medicamento para uso para o covid. O ministério da saúde não lançou nenhum protocolo para uso do nitazoxanida para o tratamento para o covid, mas na ultima segunda feira o governo federal orientou pelo uso de paciente que estão com COVID positivo, e não para prevenção da doença.

 

17     Previsão para vacina?

Muito embora não se tenha uma previsão segura. É sabido que temos no pais ao menos 3 vacinas em fase teste. E o Município está atento a essas movimentações, mantendo-se informado para a adoção de todas as medidas para que possamos recebê-las quando estiverem aprovadas e liberadas.

 

 

Redação

O Vale Hoje - A mesma qualidade para diversas realidades!

Website.: www.ovalehoje.com.br E-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

{{galo}} {{face}} {{zero}}
HomeNotícias da RegiãoComunidade de Mandingueiro realiza encontro junto ao DEER e AMAJE para reivindicar a correção ambiental causada pela estrada MG-214