Notícias da Região
Avalie este item
(0 votos)
Itamarandiba passa a fazer parte da Onda Roxa e Prefeitura Municipal divulga decreto com regulamentação local

Na noite do último 15/03, o Governo do Estado deliberou pela regressão da Macrorregião Jequitinhonha para a Onda Roxa do Plano Minas Consciente, a mais restritiva do protocolo sanitário estadual para a retomada segura das atividades econômicas. A medida entra em vigor a partir de amanhã, 17 de março.

Neste sentido, a Prefeitura de Itamarandiba publicou, na tarde de hoje, o Decreto Municipal de Nº 4815/2021 o qual dispõe sobre a regulamentação local às disposições estabelecidas à Onda Roxa, pelo Comitê Extraordinário Covid-19, do Estado de Minas Gerais.

A Onda Roxa do Plano Minas Consciente foi instituída recentemente, por meio da Deliberação nº 130, de 03 de março de 2021, após o agravamento da crise sanitária e colapso do atendimento de saúde em várias regiões do Estado. A referida deliberação, também, já foi objeto de várias alterações desde a sua publicação, no início deste mês, daí a importância de se observar a Deliberação atualizada e as disposições regulamentadas no Decreto Municipal publicado na data de hoje.

A Onda Roxa, por ser mais protetiva, restringe o funcionamento das atividades socioeconômicas aos serviços essenciais, ao passo que os estabelecimentos e atividades não essenciais terão o funcionamento suspenso, a partir de 17 de março, inicialmente pelo prazo de 15 (quinze) dias, conforme já antecipado pelo Governo do Estado.

Os estabelecimentos não essenciais, muito embora proibidos de funcionarem normalmente, desde que observados os protocolos sanitários vigentes e os horários previstos para o funcionamento do setor, podem operacionalizar suas atividades internas, além de ser possível o desempenho de atividades comerciais que se realizarem por meio de aplicativos, internet, telefone ou outros instrumentos similares, porém devem-se manter com as portas fechadas; sendo proibido o acesso e permanência de clientes no estabelecimento.

A construção civil e os estabelecimentos agrossilvipastoris e agroindustriais, onde se incluem os empreendimentos madeireiros, poderão funcionar por compreender atividades essenciais, porém devem cumprir estritamente com os protocolos sanitários vigentes, especialmente quanto às regras de transporte de trabalhadores e a utilização de máscaras de proteção individual, sob pena de interdição, embargos de obras e cominação de multa aos estabelecimentos.

Quanto aos serviços de delivery todo e qualquer estabelecimento estará autorizado a realizá-lo, observando-se o expediente comercial previsto na lei de funcionamento do comércio local para o setor e os horários previstos nos protocolos sanitários.

A Onda Roxa do Plano Minas Consciente traz, também, restrição à circulação de pessoas, no horário compreendido entre 20h00min as 05h00min, devendo-se ficar ao abrigo do lar em referido horário. As exceções à proibição de circulação encontram-se previstas na Deliberação Covid-19 nº 130, de 2021. 

O Executivo Municipal também alterou o horário de funcionamento das repartições públicas municipais. A partir deste 17 de março, o atendimento ao público estará restrito no período da manhã, no horário entre 08h00min as 12h00min, preferencialmente por telefone e meios remotos. Já no período entre as 14h00min as 17h00min, não haverá atendimento ao público, sendo o expediente interno. A medida não se aplica, porém, aos serviços públicos essenciais, a exemplo dos equipamentos de saúde que seguem com o expediente habitual.

Seguem igualmente proibidos a realização de eventos, sejam públicos ou privados. Os templos religiosos poderão ser abertos, mas a realização de cultos e missas somente estará autorizada para transmissão on line.Para saber mais sobre sua atividade consulte o Protocolo Sanitário do Plano Minas Consciente clicando AQUI

Confira também a Deliberação Covid-19 Nº 130, de 2021, do Estado de Minas Gerais clicando aqui e o inteiro teor do Decreto nº 4815/2021.

DECRETO 4815/21

 

DELIBERAÇÃO COVID-19 Nº 130/2021

Avalie este item
(0 votos)
COVID-19: Zema vai decretar 'onda roxa' para toda Minas Gerais por 15 dias, adesão dos municípios é obrigatória

 A fase mais restritiva é impositiva, ou seja, a adesão dos municípios é obrigatória, mesmo que não faça parte do Minas Consciente 

 

O governador Romeu Zema (Novo) sugeriu, nesta segunda-feira (15/03), que os 853 municípios de Minas Gerais sigam a onda roxa, considerada a fase mais restritiva do Minas Consciente, por 15 dias. A proposta foi lançada em reunião virtual fechada com prefeitos. O sinal positivo dos municípios fez com que Zema decidisse editar decreto para colocar todo o estado sob as mais duras restrições do programa estadual de combate à COVID-19.

Nesta terça-feira (16/03), o governo de Minas dará uma entrevista coletiva para falar sobre a situação da pandemia no estado, às 7h30. Além de Zema, estará presente Fábio Baccheretti, novo secretário de Estado de Saúde, empossado nesta segunda-feira.

Vale destacar que, para que a onda roxa comece a ter efeito em todo o estado, Zema teria que oficializar o ato via decreto. A fase mais restritiva é impositiva, ou seja, a adesão dos municípios é obrigatória, mesmo que não faça parte do Minas Consciente.
 
A onda roxa do Minas Consciente foi lançada no dia 3 de março pelo governo de Minas para ser a mais restritiva do programa. Na fase citada, municípios podem autorizar apenas o funcionamento de serviços essenciais, além da imposição do toque de recolher entre 20h e 5h. As cidades também terão que adotar barreiras sanitárias e proibir eventos públicos ou privados, além de vetar reuniões presenciais.
 
Fonte: Estado de Minas 
 
 

Onda roxa


Conforme 
Deliberação nº 130, de 3 de março de 2021, do Comitê Extraordinário Covid-19, durante a vigência da onda roxa, somente poderão funcionar as seguintes atividades e serviços, e seus respectivos sistemas logísticos de operação e cadeia de abastecimento e fornecimento.

I – setor de saúde, incluindo unidades hospitalares e de atendimento e consultórios;
II – indústria, logística de montagem e de distribuição, e comércio de fármacos, farmácias, drogarias, óticas, materiais clínicos e hospitalares;
III – hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, padarias, quitandas, centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, lanchonetes, de água mineral e de alimentos para animais;
IV – produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados;
V – distribuidoras de gás;
VI – oficinas mecânicas, borracharias, autopeças, concessionárias e revendedoras de veículos automotores de qualquer natureza, inclusive as de máquinas agrícolas e afins;
VII – restaurantes em pontos ou postos de paradas nas rodovias;
VIII – agências bancárias e similares;
IX – cadeia industrial de alimentos;
X – agrossilvipastoris e agroindustriais;
XI – telecomunicação, internet, imprensa, tecnologia da informação e processamento de dados, tais como gestão, desenvolvimento, suporte e manutenção de hardware, software, hospedagem e conectividade;
XII – construção civil;
XIII – setores industriais, desde que relacionados à cadeia produtiva de serviços e produtos essenciais;
XIV – lavanderias;
XV – assistência veterinária e pet shops;
XVI – transporte e entrega de cargas em geral;
XVII – call center;
XVIII – locação de veículos de qualquer natureza, inclusive a de máquinas agrícolas e afins;
XIX – assistência técnica em máquinas, equipamentos, instalações, edificações e atividades correlatas, tais como a de eletricista e bombeiro hidráulico;
XX – controle de pragas e de desinfecção de ambientes;
XXI – atendimento e atuação em emergências ambientais;
XXII – comércio atacadista e varejista de insumos para confecção de equipamentos de proteção individual – EPI e clínico-hospitalares, tais como tecidos, artefatos de tecidos e aviamento;
XXIII – de representação judicial e extrajudicial, assessoria e consultoria jurídicas;
XXIV – relacionados à contabilidade;
XXV – serviços domésticos e de cuidadores e terapeutas;
XXVI – hotelaria, hospedagem, pousadas, motéis e congêneres para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local para isolamento em caso de suspeita ou confirmação de covid-19;
XXVII – atividades de ensino presencial referentes ao último período ou semestre dos cursos da área de saúde;
XXVIII – transporte privado individual de passageiros, solicitado por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede.


As atividades e serviços essenciais acima deverão seguir o protocolo sanitário previstos pelo plano Minas Consciente e priorizar o funcionamento interno e a prestação dos serviços na modalidade remota e por entrega de produtos.


As atividades de operacionalização interna dos estabelecimentos comerciais e as atividades comerciais que se realizarem por meio de aplicativos, internet, telefone ou outros instrumentos similares, e de entrega de mercadorias em domicílio ou de retirada em balcão, vedado o consumo no próprio estabelecimento, estão permitidas, desde que respeitados o protocolo citado acima.

  
Avalie este item
(0 votos)
Prefeitura de Itamarandiba prorroga prazo do Decreto 4812/2021 de 15 a 21 de março

A Prefeitura de Itamarandiba, atenta ao agravamento do cenário da pandemia de Covid-19 em todo o Estado, inclusive em face do aumento de casos positivos no município, vem informar que foi prorrogado o prazo nas medidas excepcionais de prevenção à Covid-19 (Decreto 4812/2021).

Atente-se à nova data:

 

DE 15 A 21 DE MARÇO/21 

Suspenso o funcionamento das seguintes atividades:

•Academias;

•Clubes Sociais;

•Funcionamento de atividades físicas e desportivas no âmbito dos estabelecimentos públicos e privados;

•Promoção de eventos festivos, independentemente do local de realização, inclusive reuniões familiares;

 

Funcionamento restrito de bares, restaurantes e congêneres:

•Funcionamento normal: 10h00min às 15h00min, PROIBIDO o consumo de bebida alcoólica.

•A partir das 15h00min: apenas delivery. 

 

Para acesso ao novo decreto acesse: 

Para acesso ao novo decreto acesse: 

Decreto 4812/21 – Prorrogação das medidas excepcionais de prevenção à Covid 19 ante ao agravo da pandemia

https://drive.google.com/file/d/1U_G4F8yuPFT9SInGAU5SOXePT34cUmHr/view?usp=sharing

 

Itamarandiba/MG, 14 de março de 2021

 

- Comitê Municipal de Enfrentamento e Contingenciamento da Covid-19

- Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Itamarandiba

Avalie este item
(0 votos)
Coluna por professor Sebastião Gusmão: A PESTE

Albert Camus (1913-1960), escritor e filósofo francês, Prêmio Nobel em literatura, foi um dos intelectuais mais importante do século 20. Em 1942, ao mesmo tempo que lutava na resistência à ocupação nazista da França, começou a escrever A PESTE, publicada em 1947. O enredo é a descrição da peste bubônica na cidade de Oran, na Argélia francesa dos anos 1940. 

Italo Calvino afirma que um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha a dizer. As coincidências com a atual pandemia e as reflexões de Camus sobre a condição humana e a resistência ao totalitarismo políticotêm ainda muito a dizer, especialmente em nosso Brasil acometido pela peste moral e pela Covid-19.

Camus lutou contra os totalitarismos nazista e stalinista. E sua filosofia pode ser resumida como a negação dos ídolos da metafísica, incluíndo aí as modernas ideologias, a afirmação do ser humano como valor supremo, e a  revolta contra o absurdo da existência. O absurdo nasce da confrontação entre o apelo de encontrar um sentido para a vida e o silêncio do mundo, de nossa mente racional em um mundo irracional. Não eram as teorias que interessavam a Camus, mas a realidade da existência humana. A dignidade humana está acima de qualquer ideologia.

Como na atual pandemia, a peste em Oran é inicialmente negada pelas autoridades e somente admitida quando a morte, antes velada, é revelada em toda sua crueldade e absurdo pelas sepulturas comuns. Políticos e empresários desonestos procuram tirar proveito da desgraça coletiva. Por outro lado, homens honestos, especialmente o médico Rieux, se revoltam contra o absurdo da peste e da injustiça, e fazem o que lhes cabe fazer em solidariedade aos doentes, arriscando as próprias vidas. Ou seja, a Oran empestada de Camus em tudo se assemelha ao empestado Brasil de nossos dias.

A obra pode ser vista como duas alegorias ou metáforas: uma externa, histórica, relativa aos horrores da Segunda Guerra Mundial e ao totalitarismo em geral; outra interna, ético-existencial, referente ao absurdo da condição humana e a resistência a este absurdo.

Um dia os ratos invadem a pequena Oran trazendo a peste, da mesma forma que os soldados nazistas invadem os países europeus trazendo a desgraça. De forma semelhante, nos dias atuais, nossos dirigentes invadem os três poderes empestando moralmente a república e a vida da população. A única resposta honesta ao absurdo do totalitarismo e à falta de ética na política é a revolta e resistência ao mal. Cabe a cada um se revoltar através da ação contra o absurdo da pandemia da Covid-19 e do pandemônio da política nacional.

O tratamento possível ao absurdo da condição humana é a resistência por meio da compaixão e amor às vítimas. Não o amor idealista e abstrato  dos heróis e dos santos, mas o amor pelo ser humano concreto, materializado na simples realização do dever. O médico Rieux (definido por Camus como santo laico, sem Deus) afirma que, durante a peste, os homens honestos têm certeza apenasdo sofrimento e do amor. E no final da peste, apesar de ter perdido milhares de pacientes, vários amigos, a esposa e ter presenciado por dez meses o absurdo do sofrimento de inocentes, sente-se realizado por ter feito sua obrigação. E conclui que apesar da falta de sentido da existência, vale a pena viver. A compaixão e o amor criam o sentido.Sua grandeza consiste na sua decisão de ser mais forte que a condição humana, de se revoltar, de não ser indiferente. Se faz parte da condição humana estar neste mundo, devemos estar de forma ativa, desafiando nosso destino.

Em tempos normais, obito garante nossa segurança e nos poupa da angústia de pensar, nos condenando a ser sempre os mesmos. A crise determina a suspensão dos hábitos e a destruição das certezas. Só nos resta o pensamento, que nos leva a ver que nosso destino individual está atrelado ao destino coletivo e nos força a criar novos sentidos para a vida. Mas quando a ordem retorna, as pessoas voltam a ser quem eram. Camus finaliza a obra advertindo que na crise podemos ver com clareza o que realmente importa, mas ao retornar a normalidade, esquecemos o que antes era evidente. E nossa tranquila vida poderá ser assolada por nova peste, criada por nós mesmos. A peste está em nós.

 

Avalie este item
(0 votos)
A importância dos movimentos sociais para sustentabilidade hídrica no Vale do Jequitinhonha

É certo que o desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha depende de sua sustentabilidade hídrica, já que os municípios têm suas economias voltadas para silvicultura, cafeicultura, pecuária e agricultura familiar, atividades estas que não se sustentam sem disponibilidade de água.

O Rio Fanado, um dos principais afluentes do Rio Araçuaí que, por sua vez, deságua no Rio Jequitinhonha, passa pelos municípios de Angêlandia, Capelinha, Turmalina e Minas Novas em uma extensão de 120 km. Contudo, nos últimos anos, em razão da redução dos recursos hídricos, seja em quantidade e qualidade, a sociedade civil organizada criou  um movimento chamado "SOS FANADO" cujo principal objetivo é defender os recursos hídricos da bacia do Rio Fanado.

Dentre as razões que culminaram na criação do movimento estão o desmatamento clandestino em torno das nascentes, manejo inadequado do solo, queimadas, pisoteamento de gado nas áreas das nascentes, ausência de estações de tratamento de esgoto nos municípios, degradação de veredas e desmatamento de área de preservação permanente.

O "SOS FANADO" tem conseguido grandes conquistas, destacando, recentemente, um convênio firmado entre a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento - SEAPA e o Consórcio de Intermunicipal de Infraestrutra dos Municípios do Alto Jequitinhonha - CIIAMJE, no valor de R$866.389,52 (oitocentos e sessenta e seis mil, trezentos e oitenta e nove reais e cinquenta e dois centavos), para a construção de 03 grandes barragens nos municípios de Angelândia, Capelinha e Turmalina, respectivamente. O processo já esta em fase de  licitação.

Movimentos como o do SOS FANADO surgem como uma luz no fim do túnel para uma região que carece tanto de recursos hídricos. Em Itamarandiba, caixa d'água do Vale do Jequitinhonha, somente no Parque Estadual da Serra Negra há 116 nascentes catalogadas e georreferenciadas em apenas 20% da área, de acordo com o Instituto Estadual de Florestas- IEF. O Rio Itamarandiba, principal e maior afluente do Araçuaí, é formado por águas derivadas da região dos distritos de Santa Luzia e Padre João Afonso. Porém, não diferente do Rio Fanado, tem sido alvo de forte degradação ambiental, carecendo de movimentos em defesa dessa importante bacia que abastece as cidades de Itamarandiba, Capelinha e Veredinha.

Coluna regional, por Lucas Pietro Alves 

 

 

Avalie este item
(0 votos)
Clínica Harmonize: Reabilitação pós COVID

Reabilitação Pós-COVID é importante mesmo para casos sem gravidade. O comprometimento cardiovascular, além do pulmonar que já é amplamente conhecido, tem sido descrito como complicação frequente do COVID 19. 

O tratamento adequado em tempo hábil interfere diretamente na recuperação da fadiga, falta de ar, dores no corpo.
 

A reabilitação multidisciplinar é amplamente recomendada como uma etapa importante para segurança do retorno às atividades habituais.
Alterações pulmonares e no eletrocardiograma podem persistir até 70 dias após diagnóstico COVID19, mesmo em casos leves, sem necessidade de internação hospitalar.
 

É necessário reabilitação mesmo para quem não precisou de longas internações, com acompanhamento regular e reavaliação a médio e longo prazo, visto que a evolução tardia da doença ainda é pouco conhecida.
 

Quando a pessoa percebe que não exerce mais as funções do dia a dia com a mesma naturalidade, entre elas: subir e descer escadas, caminhar, vestir-se, realizar movimentos finos como cortar os alimentos e segurar objetos, é momento de procurar um tratamento especializado.
Diante disso, a Clinica Harmonize criou o programa PÓS COVID, voltado para todo os recuperados da doença. O programa conta com profissionais capacitados para acompanhá-los:


          Pneumologista
          Cardiologista
          Angiologista
          Fisioterapeuta ( fisioterapia motora e respiratória)
Além dos exames, caso necessário:
          Eletrocardiograma
          Espirometria ( Prova de função pulmonar )
          Ecocardiograma
          Teste ergométrico
          Ultrassom de membros inferiores e carótidas
          Holter 24horas

Agende sua consulta
(38)3521-2369 9 9156-9414 9 9969-9946
Clínica Harmonize, nós cuidamos de você!

 

Pagina 5 de 173

 

{{galo}} {{face}} {{zero}}
HomeNotícias da RegiãoConsórcio para compra de vacinas tem adesão de 649 prefeituras, Itamarandiba está entre os municípios participantes