Coordenadora da Vigilância em Saúde, Danielle de Souza, fala sobre casos de tuberculose em Itamarandiba e orienta a população como se prevenir

Abr 17, 2018 Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Após o município de Itamarandiba diagnosticar casos inesperados de Tuberculose em 2018, a Vigilância em Saúde, por meio de sua coordenadora Danielle de Souza Lima, esclarece o que é a doença, quais são os sintomas, forma de transmissão, diagnóstico e como é feito o tratamento.

"A Tuberculose é uma doença causada por uma bactéria que ataca principalmente os pulmões, mas pode também ocorrer em outros órgãos e sistemas, como ossos, rins e membranas que envolvem o cérebro.  Segundo o último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), é a doença infecciosa que mais mata jovens e adultos, ultrapassando o HIV/AIDS. Em Minas Gerais, foram notificados 4.534 casos da doença em 2017, sendo que a região Metropolitana de Belo Horizonte concentra, aproximadamente, um terço dos casos do Estado. 
 
Os principais sintomas da tuberculose são: tosse crônica, febre, suor noturno, cansaço, perda de peso, falta de apetite e dor no peito. A forma de transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de bacilo expelido por tosse, espirro ou fala de uma pessoa com a doença. É importante saber que compartilhar talheres, copos, toalhas ou banheiros, beijos e abraços não transmite tuberculose.
 
Quanto maior o tempo de permanência em ambiente com pessoas com tuberculose sem tratamento, maior a chance de infecção. Por isso, é importante manter a casa arejada, permitir a entrada de luz solar e manter as janelas abertas para adequada circulação do ar. Levar o braço ou lenço à boca e ao nariz quando tossir ou espirrar, para diminuir a disseminação dos bacilos, também é medida importante durante a fase de transmissão. A partir de 15 dias de tratamento sem interrupção, o risco de transmissão diminui. 
 
O diagnóstico pode ser feito por três maneiras, sendo elas: 1) Baciloscopia do escarro, onde a coleta do escarro é essencial para que o diagnóstico consiga diferenciar o problema, que muitas vezes pode ser confundido com os casos de pneumonia. Tal coleta deve ser diretamente da tosse do paciente, antes de iniciar a administração de qualquer medicação. 2) Radiológico, onde o raio-x é essencial para reconhecer as modificações na estrutura dos pulmões. 3) E Prova Tuberculina (PT) onde os antígenos da bactéria responsável pelo desenvolvimento da tuberculose (M. Tuberculosis) são analisados.
 
O Tratamento da Tuberculose à base de antibióticos é 100% eficaz e não pode haver abandonos. A cura leva cerca de 6 meses, mas muitas vezes o paciente não recebe o devido esclarecimento e acaba desistindo antes do tempo. Para evitar o abandono, é importante que o paciente seja acompanhado por equipes com médicos e enfermeiros. Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para cada caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. É de extrema importância seguir todas as orientações do médico, nunca se automedicar e não interromper o uso do medicamento.
 
Se você tosse há mais de duas semanas, acompanhado ou não de febre no fim do dia, suor noturno, falta de apetite, perda de peso, cansaço ou dor no peito, PROCURE A UNIDADE DE SAÚDE MAIS PRÓXIMA DE VOCÊ. O tratamento é totalmente gratuito e não deve ser interrompido mesmo se os sintomas desaparecerem". 

 

 

Redação

O Vale Hoje - A mesma qualidade para diversas realidades!

Website.: www.ovalehoje.com.br E-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

 

{{galo}} {{face}} {{zero}}
HomeNotícias da RegiãoCoordenadora da Vigilância em Saúde, Danielle de Souza, fala sobre casos de tuberculose em Itamarandiba e orienta a população como se prevenir